tjto-ok

Corregedoria inspeciona tribunal de justiça e cartórios do Tocantins

Na próxima semana, uma equipe da Corregedoria Nacional de Justiça inspeciona o Tribunal de Justiça e as serventias extrajudiciais do Tocantins.

O foco é verificar gabinetes de desembargadores, varas da capital e do interior, assim como as condições de trabalho dos servidores, o atendimento ao cidadão, os prazos processuais, produtividade dos juízes, entre outros aspectos.

 Participam dos trabalhos a desembargadora federal Daldice Santana, conselheira do Conselho Nacional de Justiça; desembargador Carlos Vieira von Adamek e desembargador Mario Devienne Ferraz, ambos do Tribunal de Justiça de São Paulo; desembargador Octávio Campos Fischer, do Tribunal de Justiça do Paraná; juízes de Direito Márcio Evangelista da Silva, Márcio da Silva Alexandre e Lizandro Garcia Gomes Filho, todos do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios.

Vão fazer parte da inspeção, também, o juiz de Direito Marco Antonio Vargas, do Tribunal de Justiça de São Paulo; juiz de Direito Márcio André Keppler Fraga, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul; além de assessores e servidores. Durante o procedimento, determinado pela Portaria n. 28, de 23 de abril de 2018, os trabalhos forenses e/ou prazos processuais não serão suspensos.

Ao longo de sua gestão, o corregedor nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, pretende inspecionar todos os Tribunais de Justiça do País. Até agora, já passaram pelo procedimento os estados de Sergipe, Espírito Santo, Maranhão, Amapá, Pará, Rio Grande do Norte, Amazonas, Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Distrito Federal, Roraima, Paraíba, São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Acre e Rondônia e, por correição, Ceará, Piauí e Mato Grosso do Sul.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Notícias Relacionadas



Copyrıght 2018 ARISP. All RIGHTS RESERVED.

Content
nome
email
Receber e-mail? receber
não receber