meio_ambiente

MPF: Empresa deve provar que aterro irregular não causou dano ambiental

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) precisa provar que não causou dano ambiental com a operação irregular de um de seus aterros de resíduos industriais. A inversão do ônus da prova foi defendida pela Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2) em contrarrazões a um recurso apresentado pela CSN contra a decisão de primeira instância que a obrigou a antecipar o pagamento de honorários para realizar uma perícia deferida. O agravo será analisado em breve pela 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2).

A perícia foi deferida na ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) que pede que a CSN remova 540 mil toneladas de resíduos perigosos do aterro “Márcia I”, construído sem licença há mais de 30 anos, para um aterro licenciado. Além da remoção, o MPF pede indenização de R$ 300 milhões pelo danos ambientais, que devem ser destinados ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, que recupera danos ao meio ambiente e ao patrimônio cultural, entre outros. A perícia ajudará a avaliar, entre outros aspectos, o atual estado do local e a extensão do dano causado pelo despejo de resíduos industriais.

A PRR2 cita a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça para defender que aquele que assume atividade potencialmente causadora de degradação ao meio ambiente deve demonstrar que não causou qualquer dano ambiental.

Sobre a PRR2

A Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2) é a unidade do MPF que atua perante o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), com jurisdição sobre Rio de Janeiro e Espírito Santo.

.

Fonte: PRR2

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Notícias Relacionadas



Copyrıght 2019 ARISP. All RIGHTS RESERVED.

Content
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório