Setor imobiliário traz exigências nas entregas de imóveis na capital paulista

O “boom imobiliário” escancarou uma série de gargalos na indústria da construção civil nos últimos anos. Alguns deles, como a escassez de material e de máquinas, estão aos poucos sendo superados com gestão e planejamento. Mas ainda há dois entraves que a indústria não dá jeito de vencer: a falta de mão de obra e a burocracia, que emperra obras e reduz a rentabilidade do setor.

A cidade de São Paulo, segundo os empresários, é um bom exemplo disso. Eles relatam que antes da retomada do setor imobiliário os trâmites para obter alvarás e regularizar a obra levavam em média seis meses para serem concluídos. Agora, não duram menos de um ano. Um projeto mais complexo pode ter de passar pelo crivo de até 10 secretarias municipais, sem contar os órgãos colegiados, que se reúnem a cada 15 dias para avaliar os pedidos. São quilos de papéis levados de um lado para o outro.

“O fato é que registramos um crescimento de 40% nos últimos cinco anos e os órgãos públicos mantiveram as mesmas estruturas”, afirma Celso Petrucci, economista do Secovi-SP. Ele considera a burocracia o maior obstáculo enfrentado pelo setor atualmente e diz que esse é um dos principais fatores que podem frear o crescimento do mercado imobiliário daqui para frente.

Da compra do terreno até a entrega das chaves, as incorporadoras se deparam com dois momentos críticos para a documentação. Primeiro, para obter o alvará do projeto, que libera a venda das unidades, e, em seguida, para conseguir a autorização de construção. Essas etapas iniciais não chegam a impactar no prazo para entrega das chaves ou gerar atraso para o consumidor. “Mas doem no nosso bolso, e quem acaba pagando por isso, no fim, é o cliente”, diz Petrucci.

Na segunda-feira passada, o Estado revelou que, para evitar desgastes com atrasos de obras, as incorporadoras passaram a trabalhar com prazos maiores. No primeiro trimestre de 2007, 25% dos empreendimentos lançados na Grande São Paulo, tinha o prazo de entrega entre 30 e 45 meses, o máximo praticado no setor. Agora, eles já são 40% dos lançamentos.

No ano passado, a Secretaria de Habitação de São Paulo autorizou a construção de 9,4 milhões de metros quadrados. O secretário Ricardo Pereira Leite, admite que o processo esteja cada vez mais complexo. “Mas isso é resultado de exigências da própria sociedade, que quer evitar impactos ambientais e de trânsito, por exemplo. Por isso as restrições aumentaram.”

Com o prédio praticamente concluído, começa a corrida para obtenção do “habite-se” (ou alvará de conclusão). Na capital paulista, o documento é emitido pelas subprefeituras. Em 2010, elas concederam um total de 3,8 mil certificados.

Essas documentações finais é que podem contribuir com o atraso na entrega das chaves para o morador. Sem o “habite-se”, as construtoras têm invadido o prazo de 180 dias previstos em contrato, para atrasos eventuais. “Isso era raro de acontecer e virou regra”, diz Ricardo Yazbek, vice-presidente do Secovi.

Embora a notícia publicada em O Estado de São Paulo informe que além dos órgãos públicos, os cartórios de registro de imóveis também estão sobrecarregados, principalmente depois do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, que prevê isenções de emolumentos, segundo Flauzilino Araújo dos Santos, presidente da Arisp, os cartórios de registro de imóveis estão capacitados com recursos humanos e de tecnologia para atender de maneira eficaz e célere tantas as incorporadoras para que possam fazer os lançamentos de seus empreendimentos nas épocas e datas projetadas, como também os adquirentes, inclusive nos contratos que envolvem financiamento imobiliário.

“A questão dos registros dos contratos  do PMCMV para os quais estão previstos isenções e descontos de oitenta e noventa por cento do valor dos emolumentos é uma situação que deve ser analisada separadamente. Evidentemente que para esses casos em que o registro é gratuito o cartório deverá fazer uma programação para que seja regularmente registrado dentro do prazo de trinta dias. Pelo que tenho conhecimento nenhum cartório está sequer utilizando os trinta dias de prazo. Quanto aos demais contratos, a maioria dos cartórios entrega entre quatro e dez dias”, diz Flauzilino Araújo.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Sem resposta

Deixe uma resposta
  1. Marquinho que Cutuca
    abr 30, 2011 - 09:50 AM

    Realmente há gargalos para serem trabalhados nas prefeituras.

    Agora cá entre nós os Cartórios de Registros têm 30 dias para fazer uma simples averbação, essa é uma lei de 1975, hoje em dia esse prazo é um absurdo.

    Hoje temos tecnologia e certidoes que se tiram pela internet. O ideal seria o interessado entrar com a documentação completa e no máximo demorar uns tres dias.

    30 dias é um absurdo.

    Responder

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Notícias Relacionadas



Copyrıght 2019 ARISP. All RIGHTS RESERVED.

Content
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório